Mais uma bomba!

Na novas revelações, a CPMI identificou um pagamento em 10 de janeiro do ano passando, no valor de 6 mil reais. Depois, no final daquele mesmo mês, a então primeira-dama recebeu dois depósitos que somam 5 mil reais.

Já em fevereiro, a equipe de Cid encaminhou oito depósitos em dinheiro vivo para Michelle. Juntos, os pagamentos somam 7.700 reais. Um mês depois, Michelle recebeu mais oito depósitos, que também somam 7 mil reais.

Em abril o modus operandi persiste: há dois depósitos no valor de 1 mil reais cada e quatro depósitos de 2 mil reais e um de 500.

Outros quatro depósitos de 1 mil e um de 800 reais foram feitos na conta de Michelle Bolsonaro em 7 de junho de 2022. Poucos dias depois, Michelle recebeu mais seis depósitos no valor de 1 mil reais.

Os comprovantes de agosto mostram quatro depósitos de 1,5 mil reais e dois depósitos no valor de 1 mil. Por fim, em 11 de dezembro de 2022, ela recebeu o total de 7 mil reais divididos em quatro depósitos fracionados.

O modus operandi, vale lembrar, é utilizado habitualmente como uma forma de dificultar a identificação de movimentações suspeitas pelo Coaf. A medida, conforme reforça o site, é usada na tentativa de dissimular o valor total das transações.

Nenhum dos envolvidos quis comentar o assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove − nove =