Pólvora molhada nos estados unidos e no Brasil.

Dezesseis partidários do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump em Michigan foram acusados, nesta terça-feira 18, de falsificação por participação em um esquema de “falsos eleitores” para reverter a derrota eleitoral de 2020.

São as primeiras acusações apresentadas contra os envolvidos no plano. O objetivo, após o pleito de novembro de 2020, era registrar ilegalmente Trump como o vencedor em sete estados, o que teria lhe dado o triunfo sobre Joe Biden, o verdadeiro ganhador da votação.

O fracasso do esquema foi uma das causas para a violenta invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro de 2021, o dia em que Biden foi certificado como vencedor.

Segundo a procuradora-geral do Michigan, Dana Nessel, os 16 acusados disseram ilegalmente ser representantes do estado de Michigan quando os votos do colégio eleitoral estavam sendo contados.

Cerca de três semanas antes de 6 de janeiro, os acusados se reuniram de maneira “encoberta” no porão da sede do Partido Republicano em Michigan e assinaram diversos certificados a declarar que seriam eleitores do estado.

Depois, os documentos foram enviados para o Senado, em um esforço para fazer com que seus votos fossem contados no lugar daqueles emitidos pelos verdadeiros eleitores de Michigan.

O plano, a fim de rejeitar a vontade dos eleitores e minar a democracia, foi fraudulento e sem fundamento legal. Nos estados como no Brasil a plano não deu certo, “a pólvora estava molhada”.

Os 16 réus enfrentam múltiplas acusações por conspiração, falsificação e fraude, as quais podem resultar em 14 anos de prisão para cada um. Tramp também já foi avisado que será indiciado.

(Com informações da AFP)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 5 =