Coronel que trocou mensagens golpistas com Mauro Cid é abandonado por bolsonaristas na CPMI

Coronel Jean Lawand Júnior negou ter defendido um golpe de estado, apesar de ter trocado mensagens de cunho golpista com Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro

247 – O depoimento do coronel do Exército Jean Lawand Júnior à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) de Jair Bolsonaro (PL) no colegiado. Lawand, autor de mensagens com teor golpista contra a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), negou ter pregado um golpe, mas sua versão não foi endossada pelos bolsonaristas.

PUBLICIDADE

Segundo o coronel, ao enviar as mensagens para Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, sua intenção era apaziguar os manifestantes bolsonaristas e retirá-los das ruas e quartéis. No entanto, deputados como André Fernandes (PL-CE) e senadores como Marcos Rogério (PL-RO) colocaram em dúvida a veracidade das declarações de Lawand.

De acordo com Fernandes, embora não se possa afirmar que o militar esteja mentindo, também não é possível acreditar totalmente em sua versão.” Sendo bem honesto, não acredito muito no que o senhor falou aqui, mas também não posso dizer que é mentira. Se alguém quiser acreditar, que acredite”, disse o parlamentar. 

Já o senador Marcos Rogério enfatizou que “a função da oposição não é proteger depoentes ou quem cometeu crimes”. O ex-juiz suspeito e senador Sergio Moro (União-PR) também criticou as declarações do coronel, expressando sua falta de convicção em relação às explicações apresentadas.

Tanto a oposição quanto a bancada governista compartilharam a avaliação de que Lawand está isolado e não conta mais com o apoio da base bolsonarista no colegiado. A senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da CPMI, afirmou que Lawand “está claramente isolado” e que “a base de Bolsonaro o abandonou”. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − um =